quinta-feira, setembro 09, 2004

L'Homme Révolté

Venho de um negro tempo irredutível,
anterior a mim.
Vou para um negro tempo desmedido,
infinito campo de ébano
onde me apagarei.
De uma escarpa a outra,
transfixado entre negro e negror,
danço - centelha breve - o meu furor.

Hélio Pellegrino

3 comentários:

oculta disse...

Que belo é o poema "L'Homme Révolté". Gostaria de o copiar para o meu blog, só se o deixares. Disseste que ias visitar o meu blog. Podes fazê-lo embora me sinta um pouco inibida pois não escrevo dessa maneira linda que tu consegues fazer. É um dos aspectos atraentes no teu blog. A amizade é algo que se dá sem se esperar por receber, é ajuda, é companhia quando precisam dela. Amizade é alegria. A vida é efémera. Porquê desperdiçá-la? Porque te isolas? Como sabes que não és compreendido? Partes do princípio de que ninguém te ouve!É saudável comunicar...que andas a estudar? que gostas de fazer sem ser o isolamento? Comunica comigo, não sou, com certeza, a pessoa que mais gostarias, mas não vou criticar e vou ouvir até ao fim.

fabio disse...

O poema é de Hélio Pellegrino, tomei a liberdade de copiá-lo do site www.speculum.art.br, e é um dos únicos dele que conheço. acho que não tem problema em transcrevê-lo em blogs não(espero...) hehehehehe

Anônimo disse...

Aprendi muito